Espetáculo | Cine-Olho Rádio-Olho

2019 | O Grivo | Belo Horizonte | MG | Duração: 50 min.

Projeção de filmes em curta metragem do diretor Cao Guimarães e da artista brasileira Rivane Neuenschwander e simultânea execução de trilha sonora original construída ao vivo com uma série de instrumentos musicais tradicionais e preparados, objetos sonoros e meios eletrônicos.

Capibaribe

O ponto de partida para este filme é a narração do poema “Discurso do Capibaribe” de João Cabral de Melo Neto. O filme é uma sequência de imagens gravadas em Super 8 que estabelecem uma camada subterrânea de conteúdos também poéticos, “traduzindo” de certa forma um estado de espírito que JCMN formula e reverbera. Do ponto de vista dos sons/música, além da narração do texto duas outras camadas compõem o universo sonoro. Um instrumentos de cordas levíssimo trabalhando com glissandos e um cluster grave de um órgão. Em contraponto ao texto e às imagens que rapidamente se articulam, os sons permanecem monotonamente. As pequenas variações são multiplicadas em função da monotonia. Parece que estamos a contemplar um rio sonoro, quem sabe o Capibaribe, correndo denso em nossa frente.

Word World

“Word/World” trata da comunicabilidade: o estranhamente organizado universo das formigas se depara com dois objetos estranhos. Falar e comer: tudo passa pela boca. No âmbito musical a intenção de com galhos e folhas reinventar um imaginário farfalhar sonoro proveniente dos movimentos das formigas. Exploração das sutilezas tímbricas e de ritmos feitos pela indeterminação da manipulação. Ínfimos sons e sonoridades se ressaltam pela amplificação tornando nítidos os mínimos detalhes sonoros.

Peiote

Uma criança possuída por entidade híbrida (luta livre mexicana e super heróis japoneses) oferece aos índios ancestrais a contra-dança. A batida rítmica de uma certa dança antiga em contra-canto com os ornamentos e floreios de um solo vaporoso e ebulitivo.

Gambiarras

Edição de várias fotos da série Gambiarras (2000-2014). As gambiarra normalmente são fruto de um deslocamento, de uma utilização diferente para os objetos. As gambiarras são necessidades que dão vida à contingência dos objetos. As gambiarras são em si objetos estéticos. As gambiarras são soluções temporárias que, de alguma maneira, acabam se tornand

o definitivas. São soluções feitas sem o material apropriado, sem as ferramentas corretas. As gambiarras são reveladoras de uma precariedade e de uma criatividade. Diálogo entre aquilo que o objeto é e aquilo que dele se espera conduz a um movimento
mental alentador, pois a ironia das situações, algumas quas surreais, sucumbe perante a constatação de que a imaginação, geralmente a popular, apresenta alternativas que mesmo a arte, em sua apregoada liberdade inovadora, não foi capaz de atingir.
A trilha sonora busca levar para o campo musical os deslocamentos de uso e a livre improvisação do universo da gambiarra. Pentes, escovas e lixas se tornam instrumentos de percussão; pequenas latas, caixas de papelão e pedaços de metal substituem violas e
violinos; cabaças, arames e cordas lembram de exóticos instrumentos de corda. Um divertido grupo de sons que dialoga com o curioso e encantador mundo das gambiarras.

Hypnosis

A ilusão lisérgica de uma hipnose resolve-se no sereno suceder geométrico das formas. O páthos, neste mini-drama geométrico, é criado pela cor em movimento e pelo langor repetitivo do martelar do piano. Sons maquinais e repetitivos. Ecos. Reverberações e ressonâncias. Busca pela sintonia com o ritmo de formas e luzes.

Aula de Anatomia

A ilusão lisérgica de uma hipnose resolve-se noCorpos, partes de corpos. Carne, pele, poros. O pulsar da imagem na tela como o ir e vir do ar dentro do corpo. A trilha sonora explora timbres cortantes, texturas crepitantes. O estalar dos objetos e fagulhas sonoras que paulatinamente se transformam através de filtros e oscilações,
criando climas de suspensão e relaxamento em função das sequências do filme.sereno suceder geométrico das formas. O páthos, neste mini-drama geométrico, é criado pela cor em movimento e pelo langor repetitivo do martelar do piano. Sons maquinais e repetitivos. Ecos. Reverberações e ressonâncias. Busca pela sintonia com o ritmo de formas e luzes.

O Inquilino

O filme descreve a trajetória de uma bolha de sabão que examina as salas vazias de uma casa em reforma. Em suspensão permanente, sem nunca estourar, a bolha flutua de uma sala a outra, investigando cantos vazios e paredes destruídas. Todas as janelas estão
fechadas, não há saída. A trilha sonora composta traz sons de casa vazia, presença humana e sintetizadores, imprimindo um aspecto psicológico à narrativa.


_Ficha Técnica:
De O Grivo
Com Marcos Moreira Marcos e Nelson Soares
Filmes de Cao Guimarães e Rivane Neuenschwcander


Site: O Grivo


 

O Grivo

Em fins de 1990 O Grivo realizou seu primeiro concerto em Belo Horizonte, iniciando suas pesquisas no campo da “Música Nova”. Interessado na expansão do seu universo sonoro e na descoberta de maneiras diferentes de organizar suas improvisações, o grupo vem desenvolvendo sua linguagem musical. Em função da busca por “novos” sons e por possibilidades diferentes de orquestração e montagem, O Grivo trabalha com a pesquisa de fontes sonoras acústicas e eletrônicas, com a construção de “máquinas e mecanismos sonoros”, e com a utilização, não convencional, de instrumentos musicais tradicionais. Em consequência desta pesquisa, que leva ao contato com os objetos e materiais mais diversos, cresce a importância das informações visuais e da sua organização nas montagens do grupo. A isto se soma um diálogo, também ininterrupto, com o cinema, vídeo, teatro e a dança. Nas instalações / concertos o espaço de fronteira e interseção entre as informações visuais e sonoras é o lugar onde se constrói nossa experiência com conceitos como textura,
organização espacial, sobreposição, perspectiva, densidade, velocidade, repetição, fragmentação, etc. A proposição de um estado de curiosidade e disposição contemplativa para a escuta e a discussão das relações dos sons com o espaço são as idéias principais sobre as quais se apoiam os trabalhos do grupo.

 

Espetáculo | Cine-Olho Rádio-Olho

04 jun
16:00 - 16:50
R$ 9 / R$ 15 / R$ 30
SESC 24 de Maio
R. 24 de Maio 109 | República | São Paulo - SP