Oficina | Cinema: a parte invisível do olhar

Atividade com necessidade de inscrição específica | Vagas limitadas

INSCREVA-SE AQUI

Contemplar dentro da filosofia, uma suposta teoria do olhar, unida ao estudo do papel da linguagem cinematográfica na apreensão do sentido do filme, poderá levar um espectador de cinema comum a melhor compreender as diversas maneiras pelas quais a formação de imagens se dá em nosso imaginário. No que se refere linguagem visual, à imagem, a arte cinematográfica se comunica de dois modos: forma e conteúdo e essa articulação entre o ver e os sentidos das percepções desenvolvem no imaginário do espectador novas relações simbólicas, que junto às sensações nos levam ao juízo sobre o gosto, o prazer e o belo no cinema.

Com: Bell Machado                           

Bacharel em Filosofia. Mestre em Multimeios / IA–Unicamp- dissertação: audiodescrição no cinema. Artigos: Educação e cultura audiovisual:ressonâncias, Filosofia no projeto de inclusão sócial do Ponto de Cultura, A Linguagem cinematográfica na audiodescrição, O olhar expandido e a moda-uma necessidade do homem corporificar suas possibilidades do ver, AD no cinema –a imagem pela palavra(SESC TV).Participação em documentários: Todose Escute-sobre cegueira e cinema. 2013-2016:coordenadora de inclusão cultural/SMPD Campinas.Audiodescritora Quesst Consultoria em acessibilidade.

Objetivos transitáveis:

– promover para todos os públicos, um debate, entre a construção de uma memória dos artifícios da montagem no cinema e suas formas de tradução das imagens, por meio da presença da linguagem dentro de um roteiro de audiodescrição. (Recurso que por meio de descrições de imagens, permite a ampliação do entendimento por pessoas com deficiência visual)

– Refletir sobre o papel da arte como mediadora do encontro entre potências diversas  e a importância da audiodescrição como criação artística pois parte da lente subjetiva do olhar para aumentar o repertório imagético das pessoas com deficiência visual, desenvolvendo novas relações simbólicas e formas de pensar, tão fundamentais para a fruição da arte.

Objetos de reflexão e contemplação: “A audiodescrição como um instante de suspensão da autonomia da imagem – as palavras, em Manoel de Barros, e a escrita em Vilém Flusser” e trecho da escadaria de Odessa, do filme Encouraçado Potenkim, do diretor S. Eisenstein.

Bibliografia de apoio:

A parte invisível do olhar- audiodescrição no cinema: a constituição das imagens por meio das palavras – uma possibilidade de educação visual para a pessoa com deficiência visual no cinema/ The invisible side of the eye : audiodescription in the movies : the creation of images through words – a possibility of visual education for visually impaired person in the cinema

http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/285178/1/Machado_IsabelPittaRibeiro_M.pdf

http://unicampbr.summon.serialssolutions.com/#!/search?ho=t&l=br-PT&q=(AuthorCombined:(Isabel%20Pitta%20Ribeiro%20Machado))

 

Oficina | Cinema: a parte invisível do olhar

08 jun
10:00 - 12:00
Restrito a inscritos
Praça das Artes
Av. São João, 281 - Centro - São Paulo - SP