Painel | Modos de colaborar e criar

Como resistir e lutar contra a paralisia. Contra a vida dessignificada. Habitar outros mundos, descobrir novas terras e cumplicidades.  Nunca fomos catequizados. Fizemos foi carnaval 

Com: Etienne Minoungou (Ouagadougou, Burkina Faso), Gabi Gonçalves (São Paulo, Brasil), Marc Streit (Zurique, Suíça), Vincent Gonzalvez (Paris, França) e Lucia Camargo (São Paulo, Brasil).

Mediação: Pedro Granato  (São Paulo, Brasil)

Etienne Minoungou é ator, diretor, dramaturgo e empreendedor cultural africano, baseado em Ouagadougou, Burkina Faso. Depois de estudar sociologia na Universidade de Ouagadougou e de alguns anos como professor, optou por dedicar-se inteiramente ao teatro. Foi diretor artístico do Théâtre de la Fraternité, em Ouagadougou e em 2000 fundou a companhia teatral Falinga. Em 2002, iniciou em Ouagadougou a primeira residência pan-Africana de escrita e criação teatral:  Récréâtrales. Este festival se tornou um dos espaços mais importantes da criação teatral na África. Oferecendo workshops, apresentando espetáculos e oferecendo residências artísticas para mais de cem artistas do continente.

Gabi Gonçalvesé produtora de ações culturais, integrante da Corpo Rastreado , que movimenta um recorte do fazer poético-artístico na cidade de São Paulo. Formada em dança pela Unicamp, Mestre em Comunicação das Artes do Corpo e  Doutora em Comunicação e Semiótica (PUC – SP). Coordenadora de produção de eventos como: Virada Cultural Paulista (2009 e 2010), MITsp (2014 e 2015), Festival Contemporâneo de Dança (desde 2016) e criadora, em parceria com Natalia Mallo, do Risco Festival.  Até maio de 2019 foi gestora do Centro de Referência da Dança – CRD – SP, onde iniciou um programa de formação “continuada” em dança  dentro do Projeto Novo Circuito de Afetos, com foco no desenvolvimento de residências artísticas. Em fevereiro de 2019 realizou o Segundo Encontro Latino Americano de Dança – Geopoéticas do Sul, que teve como tema principal Residências Artísticas.

Marc Streit nasceu e foi criado em Berna, Suíça e completou seus estudos em Gestão antes de obter seu mestrado em Estudos Curatoriais na Universidade das Artes, em Zurique. Vem trabalhando como empreendedor cultural, facilitador e assessor artístico e organizador de diversas instituições na pesquisa e realização de projetos artísticos. Suas colaborações incluem instituições na Europa, nos EUA e mais recentemente Brasil: Migros Museum für Gegenwartskunst em Zurique, Festspiele Zürich, Mensagem Salon Zürich Dance Festival Steps por Cultura Migros percentuais, Commonwealth e do Conselho Los Angeles, Los Angeles Contemporary Arquivo , San Francisco Counter-Pulse, San Francisco swissnex, Los Angeles Native Strategies, Bienal Queer de Los Angeles e Atos de Fala, Rio de Janeiro.

Lucia Camargo é curadora e gestora cultural com passagem pela direção artística do Theatro Municipal de São Paulo, Teatro Guaíra/ PR, Palácio da Artes/ BH, pela Secretaria Estadual de Cultura de SP como Secretária Adjunta e pelas Secretarias do Paraná e de Curitiba. Atualmente é coordenadora dos departamentos de Extensão Cultural e Projetos Especiais da SP Escola de Teatro- Centro de Formação das Artes do Palco.

 

Vincent Gonzalvez é chefe das Residências Artísticas na Cité internationale des arts (Paris), fundação privada reconhecida como de utilidade pública e plataforma transdisciplinar, transnacional e transgeracional que hospeda mais de 1200 artistas por ano. Desde a sua criação em 1965, a Cité Internationale des Arts recebe artistas de todo o mundo em residência em dois locais complementares: os distritos de Montmartre e Marais, em Paris. Anteriormente, Vincent foi coordenador do programa de pesquisa da École Nationale Supérieure des Beaux-arts (2007-2011) e chefe da divisão de artes visuais e arquitetura do Institut français, Paris (2011-2018).

 

Vincent Gonzalvez viajou com apoio do:        

Painel | Modos de colaborar e criar

06 jun
10:00 - 11:30
Restrito a inscritos
Praça das Artes
Av. São João, 281 - Centro - São Paulo - SP